quarta-feira, 2 de julho de 2008

Fechou a porta do carro,

tinha nas mãos um de seus vinhos preferidos e duas taças. Deu boa noite ao porteiro, entrou no elevador cantando e sorrindo. Chegando no apartamento dele pensou em tocar a campainha, mas logo se lembrou que há tempos tinha a copia da chave do tal mesmo nunca tendo usado. Abriu a porta, o apartamento se encontrava em um silencio pensava ela que ele poderia estar tomando banho, foi até o bar e de cara avistou duas taças, uma vazia e uma com um dedo de vinho, a de um dedo de vinho ainda tinha uma marca de batom bordo. Cor que ela jamais usaria simplesmente por odiar. Não ligou para os fatos, tirou seu sobretudo, o tempo lá fora estava realmente frio. E foi caminhando até o quarto dele, a cada passo que dava, ouvia barulhos vindo do tal, chegando lá avistou peças de roupas espalhadas pelo chão. Olhando pra cama lá estavam eles, como vieram ao mundo, juntos, entrelaçados, se amando. Na mesma cama onde na noite passada era ela que estava se entregando a ele. Não precisou falar nada, parecia que eles sentiram que tinha uma terceira pessoa no quarto, ele levanta olha deslocado para a porta e lá está ela, com um olhar vazio. Da boca dele saia: - “eu posso te explicar amor”. Ela não falou nada, virou as costa, pegou o vinho e desceu escadas a baixo. Logo atrás vinha ele enrolado ainda no lençol gritando: - “me escuta, eu te amo!”Ela não ouvia nada, lágrimas brotavam dos olhos dela, aquele que jurava amor acabara de apunhalar o seu coração. Entrou no carro e saiu em alta velocidade, abriu o vinho e começou a beber, os anos deles dois passavam por sua cabeça, como um filme. Então o filme foi interrompido. Depois de algumas horas um carro havia batido em um poste, esse se encontrava em alta velocidade. Dentro dele tinha uma jovem de vinte e quatro anos embriagada, do seu lado uma garrafa de vinho vazia. Ninguém soube o real motivo dela ter bebido enquanto estava no volante. O único que sabia era o namorado de quatro anos e recém noivo a cinco meses. Este que se encontrava debruçado no caixão chorando.

24 comentários:

Aline Romero disse...

Talvez ele até se arrependa. E agora é tarde demais...
Confesso que derramei uma lágrima pelo pobre destino da jovem.
Mas devo admitir, que o amor mata de muitas formas - essa desilusão desastroso é uma delas.
Pena.
Um abraço, escritora de contos tristes.
;)

Maria Fernanda disse...

Porque eu simplesmente não posso ver textos sobre acidentes. Meu namorado sofreu um assim, num poste. Ele, 24 anos... Mas sem garrafas de vinho, sem fins tristes e traições à parte.

PER-FEI-TO o conto.

MH disse...

Lindo.
Tragico.
Conclusao: o amor mata.
deve ser por isso que agora é totalmente proibido beber e dirigir.

:)

Antônio disse...

Eu até poderia encher a cara, sair correndo, morrer chorando e bater o carro. Até poderia morrer, mas antes disso levaria os dois desgraçados junto comigo. =)

Beijo!

Aninha disse...

- história triste =/

eu no começo não gostei da ideia de ser noiva, mais agora pensei bem, e to gostando!
aiuhiuheaiuheiauheieah

Adoreei o blog

beeijos

Olirum disse...

Caramba que texto é esse?
fiquei até arrepiado, engraçado como um texto pode causar diversos sentimentos em nós né?
Estou meio que sem palavras agora, depois desse ótimo texto.
Perfeito, muito bom.

Parabéns, vc escreve muito bem.

Podemos nos linkar?

bjs

Mary West disse...

Meu deos! Q texto forteeeeeeeeeeee! E sincero, bruto, cruel...Realmente é de partir o coração com este final tão morbido. Pobre moça.

Vanessa disse...

Ai...
triste, mas muito bom.
Voc� uniu perfeitamente no seu texto, coisas que n�o se unem na vida real: Vinho-volante, namorado-trai�o.

Gostei bastante =]]

Desajustada disse...

a-m-e-i!
qualquer semelhança é mera coincidencia...


beijos

Mary disse...

Olá, olá!
O bom de passar aqui é que sei que existe um novo post contando mais uma "história".
Beijokas!!!

f@ disse...

A desilusão mtas vezes trás o fim... triste mente ... do amor da vida ... e como um momento apena leva tuda uma vida...
Obrigado pela visita ... se me dás licença vou levar o teu link para as nuvens bj

.paulo ' disse...

Pobre Jovem ...
triste saber que essa foi a decisão que ela tomou !
E mais triste ainda saber que ainda existem mulheres que anseiam por tão pouco;
A vida é o maior presente que qualquer ser pode ter...
e ela deixou que essa idéia criasse uma dependência desse rapaz, que demonstoru não ser nada.
Gostaria de ter encontrado com ela na porta do apartamento.
Não a deixaria entrar no carro ...
Não a deicaria se embreagar ...
Sua vida talvez recomeçasse ...
Eu tentaria conversar. =/


-
texto bem forte !!
te linkei no meu tah ? ;*
beeeijo'

Camilla disse...

Eu ainda acho que você tinha que publicar os teus contos...

Beijos

:: Fatima :: disse...

Oiii...
Vi suas "palavras" no blog de Paulo!
Resolvi entrar e simplesmente adorei!Vc e muito criativa e seus textos sao timos!Vou voltar sempre!


Bjinhos flor...

Vinícius Aguiar disse...

Nossa senhora... que triste!!!!
A história foi muito bem construída, mas o final não foi muito feliz... pena que essas coisas acontecem frequentemente... o desespero leva as pessoas a atitudes desesperadas...
beijos!

lory F. disse...

"Eu posso explicar" são as três palavras que eu mais odiaria ouvir. Eles pensam que o respeito só existe quando seus olhos estão abertos, como se ser enganada não fosse a pior forma de não-amor.
Beijoka

Bárbara disse...

Eu não consigo escrever contos. Uma pena... gosto muito.
Gostei dos seus, pelo menos dos dois que eu li até agora...

O filme é ótimo! Baixe! rs

bjos.

Antônio J. Xavier disse...

A história é triste... mas pode muito bem ser encontrada em todo lugar que tenha a equação:
mulher apaixonada + homem canalha.

Uma pena... mesmo!

Bjossss

Paulo disse...

que triste historia amor :~ mas ao mesmo tempo real, bem real.

é por isso que nunca fui a favor da traição, sei que muitas vezes não tem nada a ver com amor e tal, mas sempre acaba de forma tragica.
;/

hey... espero ver teu livro na livraria aqui



(llllllllllllllllll...)³

ALF disse...

Forte, e triste.
A história é de fato um reflexo da vida real. E podemos ver jovens tomando decisões precipitadas, e sendo levadas pela emoção. É triste que ela tenha ficado tão abalada e se alcoolizado a ponto de causar sua própria morte. Talvez se ela tivesse mais razão pensaria mais antes de agir daquela forma. Mas a dor da traição também é destruidora, daquela que te deixa em pedacinhos.
Por uma questão de perspectiva não acho que a culpa fosse do namorado, embora tenha o sido de forma indireta.

Nisso é importante buscarmos muito equilíbrio pra que nosso emocional não se abale e nos coloque em situações de risco. Mesmo ela vendo seu namorado ali lhe traindo, ela precisava ter força pra não cometer uma loucura e ter mais amor à vida.

E acho que as pessoas deviam pensar bem, muito bem, antes de trair.

Beijosss

Rαfαεℓℓα disse...

Ah, muito obrigada por recomendar meo blog no post anterior...vc tbm é uma flor de pessoa *-* selos merrecidos vioo

Amei o texto de hj
Beijos e bom fds ;D

Mau Camus disse...

Forte. Trágica como uma história de amor normalmente é. rs
Belo texto!
Bom fim de semana, Nanita
Abs

Maldito disse...

Adoro quando o final me surpreende,...

Bjs

Copyright 2008 Marcos Carvalho disse...

Cheguei no seu blog através do seu texto, que é realmente muito intrigante. Nossa, você tem um potencial enorme como escritora. Vamos trocar umas idéias? Adoro a forma com que voce usa imagens no que voce escreve...
Beijos,
Marcos

pomeu@hotmail.com